Prefeita de São José anuncia o contingenciamento de 20% do Orçamento

Apesar de a prefeitura de São José estar com as contas rigorosamente em dia, a prefeita adotada cautela para ver como vão se comportar os repasses de recursos diante dos novos governos Federal e Estadual

0
134

A prefeita de São José, Adeliana Dal Pont (PSD) vai assinar nos próximos dias um decreto contingenciando 20% de todo o Orçamento da prefeitura para este ano. As suspensões de investimentos e recursos de custeios e outras despesas serão de algo em torno de R$ 80 milhões.

Para tomar a medida a prefeita alega preocupação com o comportamento das receitas para o ano de 2019. Adeliana tem receios quanto a repasses tanto do Governo Federal quanto do Estadual. “Não sabemos como vão se comportar os governos federal e estadual”, comenta. Como a chefe do Executivo encerra o mandato ano que vem, a medida também servirá para manter a casa em ordem. “Preocupação também é não entregar a prefeitura para o próximo prefeito como recebi, endividada”, disse nesta terça, em coletiva à imprensa.

Adeliana explica que o contingenciamento vai atingir igualitariamente a todos as secretarias municipais. Ela garantiu que as obras que estão em andamento serão tocadas no ritmo atual de trabalho, apenas novas obras que estão planejadas poderão ter um ritmo mais lento, dentro do novo orçamento.

MEDIDA PRUDENTE

A prefeita Adeliana fez questão de deixar claro que a medida é mais por prudência e cautela. Ela explicou que as contas da prefeitura estão no azul. O ano de 2018 foi encerrado com fornecedores e servidores em dia. Segundo a prefeita, a previdência municipal também está rigorosamente em dia. Apenas contingencia o orçamento, como moderação, para não ser surpreendida com possíveis sobressaltos na economia nacional e repasse de recursos.

Quanto a novos investimentos, Adeliana informou que está trabalhando num financiamento para aportar nos cofres municipais recursos para a área de Infraestrutura. Ela explica que essa área necessita de mais recursos para melhorar especialmente a malha viária. “Por ser prioridade do governo o investimento em saúde, onde investimos 25%, quando pela lei somos obrigados a investir só 15%, acaba faltando em outras áreas como é o caso da Infraestrutura”, explica. Ela não chegou a revelar o valor dos valores que estão sendo buscados e para quais obras.

Deixe uma resposta

Faça um comentário:
Digite o seu nome