Cavalos resgatados das ruas estão disponíveis para doação em São José

O cadastro para os interessados em adotar os animais pode feito na Fundação Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

0
75

De uma situação de abandono nas ruas para um lar com cuidados e carinho. Essa é a proposta do projeto desenvolvido pela Prefeitura de São José, por meio da Fundação Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (FMADS), com os cavalos recolhidos em situação de abandono nas ruas da cidade. Recentemente, a doação de dois cavalos foi oficializada para a Cavalaria da Polícia Militar (PM). Agora, Simba e Dalila auxiliam os praticantes do projeto de Equoterapia desenvolvido pela corporação.

Pelo convênio firmado pela Prefeitura com a Cavalaria da PM em 2018, as ações de recolhimento dos equinos em situação de abandono nas vias públicas e terrenos municipais, além do acolhimento são de responsabilidade da Cavalaria. Já o tratamento com alimentação, medicação e o atendimento veterinário dos animais são garantidos pela Fundação Municipal do Meio Ambiente.

Nos casos em que o proprietário não é identificado, a adoção é liberada após a realização de exames e comprovação de saúde do animal. A adoção dos animais pode ser feita por entidades sem fins lucrativos ou pessoa física, sendo que os interessados devem entrar em contato com a Fundação pelo telefone (48) 3381-0000 (ramal 4417 ou 4409) para preencher um cadastro. O responsável precisa também assinar um termo de doação.

“Desde quando firmamos a parceria com a Cavalaria da PM, em menos de um ano já recolhemos 36 cavalos e parte deles foi doada para entidades e pessoas que procuraram a Fundação com objetivo de dar um novo lar para esses animais. O objetivo da Fundação é possibilitar que os outros equinos tenham o mesmo destino”, explica a superintendente da Fundação do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Fernanda Vieira Diniz Farias.

O recolhimento dos cavalos em estado de abandono nas vias públicas e terrenos municipais é realizado de acordo com lei municipal, com o objetivo de diminuir o número de ocorrências de trânsito com os animais em diversas regiões de São José. Para solicitar o recolhimento dos animais nas ruas, o cidadão pode entrar em contato com a Guarda Municipal de São José (GMSJ) pelo número 153. Após receber a ligação, a Guarda Municipal vai até o local para verificar a situação. Caso a GMSJ não identifique o dono do animal, o chamado é enviado para a Cavalaria, que é responsável pelo recolhimento do animal.

Parceira da Prefeitura de São José nos cuidados com os animais, a Cavalaria da PM acompanha a recuperação dos cavalos recolhidos e, recentemente, firmou um termo de doação com a Fundação Municipal do Meio Ambiente. Simba e Dalila foram os dois cavalos adotados pela Cavalaria para auxiliarem 40 praticantes do projeto de Equoterapia, que são ações de abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial.

Para o comandante da Cavalaria da PM de São José, coronel Marcos Besen, a Equoterapia é um ganho, pois em pouco tempo auxilia os praticantes que criam vínculo com o animal, gerando confiança e tendo reflexo no tratamento dos movimentos motores e também no equilíbrio. “A Equoterapia é uma forma de prestar um serviço importante para a comunidade, além de mudar o sistema para sensibilizar e colher bons frutos na segurança pública”, destaca o comandante.

Equoterapia

A Equoterapia é um método terapêutico que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas da saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência ou com necessidades especiais. Em São José, a Cavalaria da PM atende 40 praticantes, de segunda a sexta-feira no período da manhã, de forma gratuita.

Com o apoio de uma equipe multidisciplinar de psicólogo, fisioterapeuta e profissionais que cuidam da rotina dos praticantes, o projeto de Equoterapia conta com seis equinos. Com a adoção de Simba e Dalila, o programa ganhou um reforço especial. “Os praticantes conseguem se identificar com o animal, conseguem conversar e interagir. Simba e Dalila possuem uma índole espetacular, se encaixando perfeitamente no trabalho da Equoterapia”, conta o comandante da Cavalaria da PM de São José, coronel Marcos Besen.

De acordo com o responsável pela Equoterapia, o 2º sargento Hilário José Ferreira, é um trabalho social importante para a comunidade que vem sendo realizado no município há 21 anos. “É um trabalho social muito importante, pois dá visibilidade e respeito para as pessoas com necessidades especiais, possibilitando uma qualidade de vida maior para os praticantes”, explica Hilário.

Hilário conta ainda que a Equoterapia trabalha com o movimento tridimensional, que contribui para o equilíbrio,  melhora a força e o tônus muscular dos praticantes. “O cadeirante, por exemplo, sai do plano de enxergar o mundo de baixo para cima e passa a ver de cima para baixo, tendo a sensação de domínio e aumentando a autoestima”, conta.