Ex-funcionário de gabinete denuncia vereador Maikon Costa em Florianópolis

Rafael Cavalcante Silva Coelho, 37 anos disse que vereador exigiu que suplente pagasse pensão do seu filho para ceder vaga; além de solicitar recursos de nomeados no gabinete. O caso foi encaminhado ao Ministério Público e ao Conselho de Ética da Câmara

0
95
Vereador Maikon Costa

Uma grave denúncia foi feita neste início de semana contra o vereador de Florianópolis, Maikon Costa (PSDB). Um ex-funcionário do seu gabinete trouxe a publico a informação de que o vereador exigiu que a sua suplente Noemi Leal (PSDB) pagasse a pensão do seu filho no período em que assumiu sua vaga por 45 dias em 16 de abril de 2018. A revelação foi feita na Câmara da Capital e encaminhada para o Ministério Público nesta segunda-feira (13), inclusive com áudio do vereador. Em nota oficial (ao final desta reportagem) o vereador nega as denúncias.

Ao INFORME FLORIPA o ex-funcionário e ex-amigo, Rafael Cavalcante Silva Coelho, 37 anos disse que trabalhou até novembro do ano passado no gabinete de Maikon. Ele lembra que é amigo do vereador desde 2002 quando serviram ao Exército juntos. Coelho conta que aceitou a proposta do vereador para integrar o gabinete por acreditar na conversa de “fazer uma nova política”, mas se decepcionou.

Segundo Coelho, quando Maikon abriu para sua suplente ocupar sua cadeira na Câmara, mediante sua licença, em abril do ano passado, ele pediu para que ela pagasse nesse período a pensão de seu filho. Coelho gravou um áudio em que o vereador explica a operação. “Todo suplente quando abre pro outro ele dá um suporte, isso é natural. Sabe o que foi feito. Eu falei olha, tem que pagar a pensão pro meu filho. Você consegue segurar, de pegar a pensão”, diz a voz, supostamente do vereador, na gravação.

O denunciante explica que à época achou estranha essa situação, porém o vereador teria garantido que é uma situação legal, normal. “Ele falava que esses repasses eram normais, que todo vereador fazia. Mas depois fui me informar, pesquisar melhor e vi que era errado e fiz a gravação”, explica Coelho. Ele conta que após a eleição para deputado, ano passado, como o resultado eleitoral de Maikon que concorreu a deputado estadual não o agradou, ele passou a dizer que iria mandar gente do gabinete embora. Foi o que aconteceu com Coelho em novembro. “Passei o natal f…”, desabafa.

Neste ano de 2019 Coelho demorou a falar com o vereador, porém ficou com aquele peso na consciência de que deveria denuncia-lo. Coelho conta que procurou o vereador para falar sobre o assunto e ouviu dele que deveria mesmo denunciar que “não iria dar em nada”. O denunciante acrescentou ainda que à época a suplente Noemi chegou a confidenciar para ele que teve que repassar o dinheiro. “Na época a vereadora não aceitou, mas teve que aceitar na marra e teve que dar o dinheiro”, diz

A denuncia no Conselho de Ética da Câmara

Coelho admite que se decepcionou com a política. Antes de ir para o gabinete do político ele trabalhava na operadora de telefonia celular Vivo e tinha uma boa proposta da Claro. “A proposta dele – Maikon – era de fazer uma política nova e não de fazer a velha política. Quero o bem da cidade e de nosso País e por isso aceitei a proposta para ajudar”, lamenta.

Repasse dos salários dos funcionários

O ex-funcionário Rafael Cavalcante Silva Coelho também faz outra grave denúncia contra o vereador Maikon Costa (PSDB). A de que o vereador solicitou valores dos salários dos nomeados no gabinete. Para comprovar a denuncia ele apresentou prints de conversas em seu celular.

Tramitação da denuncia

O denunciante Rafael Cavalcante Silva Coelho procurou por vontade própria a Câmara da Capital na sexta-feira (10) para fazer a denúncia. Ele foi ouvido pela Mesa Diretora. Juntamente com o procurador Bruno Basso e o Diretor de Imprensa, Tiago Santaolla foi realizada a tomada do depoimento, gravado. Nesta segunda-feira (13) o procurador da Casa procurou o Ministério Público para buscar orientações e fez o encaminhamento da denúncia.

O caso também foi imediatamente repassado para o Conselho de Ética da Câmara. Nesta segunda-feira (13) foi comunicado que o vereador Tiago Silva (MDB) foi nomeado para a presidência do Conselho tendo o vereador Valderlei Farias, o Lela (PDT) como vice-presidente.

Este INFORME procurou a suplente de vereadora Noemi Leal para ouvi-la. Ela não confirmou a informação de Coelho. “Como fui a mulher mais votada do partido, ele disse que abriria para mim”, disse, não confirmando se o vereador fez algum tipo de pedido financeiro. Agora, o MP e Comissão de Ética vão investigar para apurar a verdade.

Nota oficial divulgada pela Câmara

A Câmara de Vereadores confirma o recebimento nesta segunda-feira de uma denúncia realizada por um ex-assessor do vereador Maikon Costa. Para apurar a veracidade dos fatos relatados e dar prosseguimento ao devido processo legal, a Mesa Diretora do Legislativo levou ao conhecimento do Conselho de Ética a denúncia para que delibere as ações que julgar necessária dentro do amplo direito de defesa do parlamentar.

ABAIXO NOTA OFICIAL DO VEREADOR MAIKON

PERSEGUIÇÃO: NÃO FOI A PRIMEIRA E NÃO SERÁ A ÚLTIMA

Era natural que após provocar a CPI dos Transportes e realizar audiência sobre o novo acesso ao Sul da Ilha que começou a elucidar possíveis irregularidades no processo de indenizações, que os ataques sistemáticos viriam ao nosso mandato.

O Sr. Rafael Coelho foi comissionado lotado em nosso gabinete e por incompatibilidade, acabou sendo exonerado. Mesmo assim em função de um vínculo de amizade estabelecido desde 2002 quando servimos o Exército Brasileiro, tentei ajuda-lo financeiramente, até que pudesse se recuperar e encontrar emprego, o que prova conforme os próprios prints encaminhados na sua denúncia, que ao contrário do que diz, ele é o beneficiado do meu deposito e não o contrário. Me espanta que esta denúncia venha só agora, requentada e muito provavelmente a serviço de alguém.

Quanto ao recorte do áudio, ele é absolutamente fora de contexto, fracionado e prova mais uma vez a litigância de má fé de alguém que usou por inúmeras as vezes a coação para tentar chegar os seus objetivos.