CPI dos Transportes ouve ex-secretária que participou da implementação do sistema atualmente utilizado

Foi ouvida pela Comissão da Câmara da Capital a ex-secretária municipal de mobilidade urbana Juscelia Monn, que trabalhou na secretaria no período da implementação do sistema

0
25

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que investiga possíveis irregularidades no transporte público da Capital, ouviu nesta quinta-feira (4) a ex-secretária municipal de mobilidade urbana Juscelia Monn, que trabalhou na secretaria no período da implementação do sistema. A sequência de oitivas agora tem escutado os responsáveis por comandar as pastas nas últimas gestões municipais.

Juscelia, que é atualmente advogada do Estado, ficou na pasta por sete meses e explicou como funcionam os contratos de concessão: “Um contrato de concessão é pela utilização dos terminais e outro pela concessão da linha”. Juscelia ainda explicou que somente uma medida feita pela Prefeitura pode derrubar essa cláusula, que paga para a Cotisa (Companhia Operadora de Terminais de Integração S/A) por cada utilização do terminal.

A ex-secretária afirmou que, na época, todo o processo de implementação não foi compreendido pela população, pois faltaram explicações por parte da Prefeitura. Juscelia assumiu a pasta no lugar de Luiz Osvaldo D’ Acampora Filho, que era seu esposo e a mente por trás do processo do novo sistema. D’ Acampora foi secretário entre os anos de 1997 e 2002, na gestão Angela Amin (PP).

O vereador Renato Geske (PL), relator da CPI, afirmou que o depoimento de hoje foi de grande valia e que Juscelia trouxe informações novas: “O ponto principal é que ela participou de todo o processo de implementação, conhece os cálculos usados na época e nos ajudará a entender melhor se teve algum equívoco ou se o processo está correto”.

Nesse mesmo ano de 2004, aconteceu em Florianópolis a mobilização chamada Revolta das Catracas, contra o aumento da tarifa, que fechou as pontes de acesso à Ilha e foi um dos marcos do Movimento Passe Livre, um protesto nacional contra os aumentos tarifários.

Os membros da CPI visitarão na semana que vem, o centro de operações da empresa que opera o atual sistema, para entender melhor o processo na prática. Na próximo quinta-feira, portanto, as ações da comissão serão em atividade externa.