Tribuna Livre da Câmara da Capital discute futuro da Eletrosul em Santa Catarina

Representante do Sinergia, Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Energia Elétrica, teve a oportunidade de falar sobre a incorporação da Eletrosul pela CGTEE e os possíveis impactos decorrentes dessa medida

0
10

A Câmara de Vereadores abriu o espaço da Tribuna Livre desta segunda-feira (8) para o representante do Sinergia, Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Energia Elétrica, falar sobre a incorporação da Eletrosul pela CGTEE e os possíveis impactos decorrentes dessa medida. O requerimento é de autoria do vereador Lino Peres (PT).

Eduardo Clafen Back, funcionário da Eletrosul e coordenador do Sinergia, explicou que a discussão de incorporação da empresa é antigo, mas que a ideia inicial era a Eletrosul incorporar a CGTEE e não o contrário: “Se formos incorporados, a chance da sede sair de Florianópolis e ir para o Rio Grande do Sul é imensa e isso causaria um impacto negativo para a Capital”, afirmou. A Eletrosul possui quase mil funcionários nas cidades de Florianópolis e São José.

A empresa CGTEE, Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica, tem sede no estado do Rio Grande do Sul e possui apenas uma usina, segundo Eduardo, e foi feita para gerar 350 megawatts, mas nunca chegou nesse patamar. Isso causou um déficit de mais de R$ 1 milhão.

O vereador Lino Peres disse que a defesa da manutenção da empresa em Florianópolis é necessária e que a batalha não está ganha: “Precisamos de um engajamento permanente de todos os órgãos e da classe política, por isso tentamos sensibilizar a todos da importância dessa manutenção”.

Presidindo a sessão, o vereador Fábio Braga (PTB), afirmou que a Câmara de Vereadores sempre debateu a questão: “É uma empresa com responsabilidade social que presta um serviço de muita qualidade para a cidade”.

“A batalha é para que a Eletrosul incorpore a CGTEE e que a sede dessa nova empresa fique em Florianópolis e que não haja prejuízos para os trabalhadores”, afirmou Eduardo. Existe um engajamento de deputados estaduais e federais, senadores e também da própria CMF pela manutenção da Eletrosul em Santa Catarina.

Deixe uma resposta

Faça um comentário:
Digite o seu nome