Pessoas em situação de rua acolhidas pela Prefeitura farão concurso público

Ao todo, oito candidatos vão concorrer a vagas de auxiliar operacional, educador social e coveiro. As vagas escolhidas por eles preveem salários entre R$ 1.189,09 e R$ 1.321,34

0
59

Os homens em situação de rua que foram acolhidos pela Prefeitura em abrigos de Florianópolis participarão do concurso público do município, que acontecerá no dia 17 de novembro. Ao todo, oito candidatos vão concorrer a vagas de auxiliar operacional, educador social e coveiro. As vagas escolhidas por eles preveem salários entre R$ 1.189,09 e R$ 1.321,34.

Para Otilio, natural do Rio Grande do Sul que está abrigado na casa de acolhimento para pessoas em situação de rua desde maio deste ano, o concurso é uma oportunidade de mudar de vida. “Procuro estabilidade. Vim para cá por meio do Centro Pop. Estou fazendo tratamento no Centro de Atenção Psicossocial e quero recomeçar”. Ele vai concorrer à vaga de educador social. Além do concurso, Otilio participa do curso do SENAC de gestão financeira, que termina em dezembro deste ano. Antes de estar em situação de rua, o gaúcho era corretor de imóveis e tinha como hobby pilotar carros e motos, sua grande paixão.

A casa de acolhimento que Otilio está é um dos sete abrigos oferecidos pela Prefeitura de Florianópolis. O local possui 20 vagas exclusivamente para homens e os encaminhamentos são feitos por meio do Centro Pop. Na casa, são ofertados atendimento socioassistencial e refeição. A equipe é composta por 9 educadores sociais, um psicólogo e um assistente social.

A história de Leandro é parecida com a de Otílio. Por meio do concurso, quer recomeçar sua história e tem se dedicado bastante a isso. Vai concorrer a vaga de educador social. Segundo ele, ninguém melhor para conhecer as políticas públicas e aplicá-las que alguém que usa diretamente o serviço. “Eu estudo todos os dias na biblioteca pública aqui no Centro de Florianópolis. Além do concurso para a Prefeitura, pretendo fazer para Polícia Militar e Secretaria de Saúde de Santa Catarina”, completa Leandro. Ele é natural do Maranhão e ficou dois dias em situação de rua na Capital. Procurou espontaneamente o Centro Pop que está localizado na Rua General Bittencourt. No local recebeu encaminhamento para a casa de passagem, também no Centro de Florianópolis. Lá são oferecidas 30 vagas onde os usuários podem ficar por 30 dias. A equipe é composta por 12 educadores sociais, um assistente social e um psicólogo.

As duas casas utilizaram os murais nas paredes para disponibilizar o edital do concurso e toda matéria que será exigida na prova. Também são colados desenhos feitos pelos moradores do local e avisos sobre outros cursos, concursos e mensagens motivacionais.

Para se prepararem para a prova serão oferecidas aulas dadas por educadores sociais que vão revisar conteúdos, tirar dúvidas e exercitar a escrita. Além das aulas, a Prefeitura irá disponibilizar curso com voluntários.

Isenção da taxa de inscrição

Os oito homens que farão a prova receberão isenção da taxa de inscrição. Isto acontece pois todos eles estão cadastrados no no CadÚnico: cadastro que capta informações e dados de pessoas de baixa renda e possibilita acesso a benefícios como isenção de taxas de inscrição, bolsa família, tarifa social e auxílio natalidade.

Amanhã alguns deles serão acompanhados pela equipe até a Universidade Federal de Santa Catarina para realizarem a inscrição presencialmente.

Deixe uma resposta

Faça um comentário:
Digite o seu nome