Presidente da ACATE pede apoio para expansão do setor de tecnologia em fala na tribuna da ALESC

Daniel Leipnitz propôs ao Parlamento ações de fomento ao empreendedorismo, pela implementação de novos cursos técnicos

0
127

Na manhã da última quinta-feira (12) o presidente da Associação
Catarinense de Tecnologia (ACATE), Daniel Leipnitz, realizou uma fala
durante a Sessão Extraordinária da Assembleia Legislativa de Santa
Catarina (ALESC), propondo aos deputados ações de suporte à
educação e de incentivo a programas de fomento ao empreendedorismo.
Organizada pela Comissão de Economia, Ciência, Tecnologia, Minas e
Energia, a ida de Leipnitz ao Plenário buscou destacar o poder decisivo
que os deputados estaduais têm no apoio de programas aos
empreendedores.

O setor de tecnologia de Santa Catarina já agrega R$ 15,8 bilhões em
faturamento, representando mais de 5% do PIB do Estado, e é hoje a
área que mais cresce. Leipnitz argumentou que a falta de emprego
causada por um modelo mundial de trabalho, que valoriza a produtividade
e a otimização, vem sendo combatida pelo setor de tecnologia, com a
criação de diversos programas de fomento criados nas últimas três
décadas. Ao mesmo tempo que acontece um aumento no número de vagas de
trabalho na categoria, surge a falta de profissionais qualificados. Com
isso, o presidente da ACATE pediu apoio no desenvolvimento de centros de
inovação em Santa Catarina, que são estímulo a futuros
empreendedores, e na implementação de novos cursos técnicos.
“Precisamos da matéria-prima do futuro, que são as pessoas, os
jovens. Precisamos reforçar essa educação desde o primário no
desenvolvimento da lógica, da matemática. Ensinar a resolver problemas
de toda a sorte”, disse Leipnitz.

O presidente da Comissão de Economia, Ciência, Tecnologia, Minas e
Energia, deputado Jair Miotto (PSC), informou que já solicitou à Mesa
que a palavra inovação seja inserida no nome do colegiado. Também, os
deputados José Milton Scheffer (PP) e Nilson Berlanda (PL) reforçaram
a função estratégica que as empresas lideradas pela ACATE têm para a
economia catarinense e aproveitaram a oportunidade para solicitar que a
Associação expanda suas ações para o Extremo Sul e o Planalto,
regiões que representam e cujos índices de desenvolvimento são os
menores em Santa Catarina. Leipnitz afirmou que há interesse do setor
em estar presente em Curitibanos e aceitou o convide de Scheffer para
fazer uma palestra em Araranguá.