Governo do Estado estuda propostas para revitalizar o entorno da Ponte Hercílio Luz

O objetivo é criar espaços de convivência a partir do uso cultural, museológico, turístico, gastronômico, esportivo, de lazer e de contemplação, trazendo vitalidade e urbanidade para a região

0
125

Depois do sucesso de público no evento de reabertura da Ponte Hercílio Luz, realizado entre 30 de dezembro de 2019 e 5 de janeiro de 2020, em Florianópolis, o Governo do Estado dá sequência aos estudos sobre o aproveitamento do entorno da estrutura. O objetivo é criar espaços de convivência a partir do uso cultural, museológico, turístico, gastronômico, esportivo, de lazer e de contemplação, trazendo vitalidade e urbanidade para a região.

Um dos projetos é o Complexo Cultural e Turístico das Cabeceiras da Ponte Hercílio Luz. Diante da relevância histórica e de composição da paisagem do monumento, propõe-se que áreas potenciais adjacentes sejam espaços de permanência com novas possibilidades de uso e apropriação. Os estudos iniciais foram liderados pela Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade (SIE) e envolveram diretamente a Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e a Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa Catarina (Santur), por meio de oficinas com os técnicos das pastas para definir as premissas e diretrizes conceituais do projeto.

“A oportunidade de conviver novamente com a Ponte Hercílio Luz nos mostrou um potencial cultural e turístico enorme e consolidou a estrutura como o símbolo que sempre foi e abriu novos horizontes para explorá-la muito além de um equipamento de mobilidade”, afirma o secretário de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, Carlos Hassler.

O conceito do projeto reforça a Ponte Hercílio Luz como conexão entre os elementos culturais e os espaços públicos, restabelecendo, inclusive, a conexão com a borda d’água, qualificando as cabeceiras e propondo espaços de convivência, permanência e contemplação para potencializar as áreas de acesso para pedestres não apenas como local de travessia.

“O Complexo possibilitará, entre outras questões, o despertar da atenção e a valorização ao patrimônio cultural brasileiro, buscando preservar os testemunhos do passado. A ideia é contribuir para a permanência da memória, reforçando o processo de pertencimento e apropriação do lugar como estruturador para a identidade catarinense, além de fazer a junção com o Parque da Luz e a ligação com um grande corredor cultural, interligando o Mercado Público, Casa da Alfândega, Museu Victor Meirelles, Museu da Cidade e Museu Histórico”, explica a presidente da FCC, Ana Lúcia Coutinho.

A proposta também prevê espaços para exposições temporárias e feiras, cafés, quiosques, decks, food-trucks, food-karts, locais para piqueniques e apresentações, além de mobiliário urbano e de infraestrutura de apoio como sanitários e estacionamentos. “Com essas intervenções no espaço urbano do entorno da ponte a expectativa é de que o local se torne atrativo para a residentes e visitantes, que passe a ser utilizado para o lazer, prática de esportes ou simplesmente para o descanso em um ambiente agradável e seguro”, reforça a presidente da Santur, Flavia Didomenico.

Sondagem de mercado

Para melhor orientar as decisões sobre o uso do entorno da Ponte Hercílio Luz, uma sondagem de mercado está sendo realizada pela SC Participações e Parcerias (SCPar) com a finalidade de ampliar o debate e coletar sugestões e percepções sobre o aproveitamento do espaço. Até 30 de janeiro os interessados podem agendar reunião por meio de formulário eletrônico disponível no site do Programa de Parcerias e Investimentos do Estado de Santa Catarina (www.ppi.sc.gov.br).

Conforme o secretário executivo de Parcerias Público-Privadas da SCPar, Ramiro Zinder, esta é a oportunidade para que interessados em investir no entorno das cabeceiras da Ponte Hercílio Luz participem do processo. “A sondagem de mercado é um procedimento preliminar nas concessões e PPPs. É um espaço de diálogo com a iniciativa privada acerca das potencialidades daquela área. Queremos ouvir investidores, empresários, pessoas interessadas para avaliar que tipo de negócios são mais atrativos para que façamos um chamamento público mais ajustado ao interesse do mercado”, destaca.

As contribuições recebidas no período da sondagem de mercada vão ajudar na elaboração do edital do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), quando os interessados poderão apresentar planos de negócios e estudos. Essa etapa servirá para a definição final dos termos da licitação.