Deputado catarinense é acusado de injúria por preconceito

0
511
Deputado estadual, Ivan Naatz (PV)

O deputado estadual, Ivan Naatz (PV), de Blumenau, está sendo acusado de injúria por preconceito. A denúncia parte do funcionário de seu gabinete, Fábio Aristides Lima dos Passos, 25 anos. Ele registrou um Boletim da Ocorrência por injúria qualificada pelo preconceito na segunda-feira da semana passada, dia 20 de maio na 1ª Delegacia de Polícia da Capital, relatando o fato que segundo ele ocorreu dia 8 de maio deste ano. Já o deputado publicou texto no facebook negando a acusação.

De acordo com o denunciante, o fato aconteceu no gabinete do deputado, após uma sessão plenária da Assembleia Legislativa. Ele contou na Delegacia que o deputado recebeu naquele dia por volta das 17h30min, a visita de outro parlamentar, o Sargento Lima, do PSL. Foi neste momento que Naatz foi apresentar a equipe para Lima

Passos conta que quando chegou sua vez de ser apresentado, Naatz questionou ao deputado visitante: “você sabe porque este preto trabalha no meu gabinete?” Respondendo ele mesmo em seguida: “porque se der merda a culpa é dele”.

Em seu depoimento na delegacia Passos conta que após a apresentação do chefe, ele “riu de constrangimento e abaixou a cabeça”. No Boletim de Ocorrência o denunciante cita todos os demais funcionários do gabinete que presenciaram o fato.

Ele conta que no dia seguinte não foi trabalhar, mas que dois dias depois, no dia 10 de maio voltou ao trabalho. Porém, a situação de constrangimento lhe abateu e no dia 13 de maio foi até a sala do chefe do gabinete falar do seu descontentamento. Segundo ele, o chefe de gabinete também confirmou que “riu de constrangimento” pela “piada” do deputado. Mesmo ciente do fato, o chefe de gabinete teria orientando Passos a “engolir a história e seguir em frente”.

O Boletim de Ocorrência com a acusação

O OUTRO LADO

Este INFORME encontrou em contato com o gabinete do deputado estadual, Ivan Naatz (PV) para ouvir sua versão sobre os fatos às 13h30min desta segunda-feira (27). A secretária que atendeu ao telefone disse que tanto o deputado, como a assessoria de imprensa e o chefe de gabinete não estavam no local e estariam em Florianópolis somente nesta terça (28).

Quando questionada se poderia passar o número de algum fone celular para que fosse possível fazer contato com o deputado ou assessoria, se limitou a dizer que não estava autorizada a repassar tal informação.

O INFORME conseguiu por outros meios o celular do deputado e ele se limitou a dizer que sua manifestação sobre o caso está em sua rede social. No facebook o deputado publicou o texto abaixo:

“Minha vida política sempre foi pautada pela luta dos menos favorecidos, buscando sempre a justiça igualitária.

Fui surpreendido pela notícia de que um dos nossos mais brilhantes colaboradores, por quem sempre tive um enorme carinho e respeito, assim como tenho por toda a equipe que me ajuda, fez um BO com a suposta agressão racial.

É MENTIRA.

É importante ressaltar que todos são livres para buscar seus direitos, mas dentro dos limites legais.

Em tempos de Fake News e linchamentos virtuais, a quem queira atenção a todo custo, e com apoio de setores ainda atrasados da nossa sociedade.

Sou um homem liberal, democrático e defensor de todas as liberdades individuais, respeitando credos, gêneros e raças. Quem me conhece sabe disso.

Mais do que surpreso, estou decepcionado, mas de consciência tranquila de que a verdade sempre triunfa”