Projeto de Educação Ambiental conscientiza alunos sobre descarte correto de resíduos

O projeto "Reduzir, Reusar, Reciclar, Por quê?" foi apresentado para os alunos do 6º e 7º ano do CEM Interativo, na última sexta-feira (28)

0
314

No Brasil, menos de 10% do total de lixo é reciclado. Estima-se que os brasileiros produzam cerca de 250 mil toneladas de lixo por dia, sendo que 30%, no mínimo, poderiam ser reaproveitados. Para estimular uma reflexão sobre o tema, integrantes da Fundação Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (FMADS), em parceria com a Comissão de Direito Ambiental da OAB São José, estiveram no Centro Educacional Municipal (CEM) Interativo, na última sexta-feira (28). O grupo apresentou o projeto “Reduzir, Reusar, Reciclar, Por quê?” para os alunos do 6º e 7º ano, que tiveram a oportunidade de aprender a maneira correta para fazer o descarte, quais resíduos são considerados apropriados para reciclagem, entre outras dicas.

O projeto de Educação Ambiental foi desenvolvido pela FMADS e está percorrendo as escolas da rede municipal de ensino de São José para fomentar os cuidados com o meio ambiente. Durante a ação, os alunos aprendem porque é importante reciclar o lixo e a maneira correta de descartar alguns tipos de resíduos, como o óleo de cozinha usado, os entulhos da construção civil e equipamentos eletroeletrônicos.

Cada estudante recebeu um material educativo para levar para casa. A superintendente da FMADS, Fernanda Vieira Diniz Farias, explica que apresentar o tema aos alunos com um material diferenciado tem o objetivo de tornar os adolescentes multiplicadores das práticas de preservação na comunidade escolar. “É motivador trabalhar com os adolescentes, pois a gente percebe o interesse e o envolvimento deles”, ressalta Fernanda.

Segundo Fernanda, a sociedade não tem mais como fechar os olhos para a questão do lixo. “Pensamos neste projeto para atuar diretamente com as crianças e adolescentes, pois entendemos que é com eles que vamos criar a cultura de que os resíduos têm dono e existe uma responsabilidade compartilhada que vem desde o fabricante, comerciante, consumidor e o poder público. Enquanto sociedade, precisamos nos envolver mais e procurar zerar a produção do lixo, dar uma destinação adequada a ele, que na sua maior parte pode ser reciclado e reusado”, explica a superintendente da FMADS.

Para a professora de Língua Portuguesa, Alba Valeria Loiola, já é rotina dos alunos do CEM Interativo os cuidados com o meio ambiente, sendo que a unidade mantém uma atividade interdisciplinar que estimula as crianças, adolescentes e as famílias a adotarem ações de preservação.

Outro ponto trabalhado pela escola é o consumo consciente que é complementado pela reflexão de como a ciência está relacionada com o ambiente. “Já faz parte da escola atividades que conscientizem os alunos sobre os cuidados com o meio ambiente e, para eles, receber uma visão de fora da escola, sobre a legislação e da obrigatoriedade da lei para alguns casos é muito importante, pois complementa o conhecimento que eles vêm adquirindo no ambiente escolar”, afirna Alba.

A diretora do CEM Interativo, Débora Silva dos Santos, conta que a unidade possui 502 alunos e é extremamente importante para a instituição escolar contar com esse trabalho específico, direcionado a preocupação com meio ambiente. “Estamos em um processo constante de formação de cidadãos e precisamos aprofundar essa temática. Já fazemos um trabalho de separação do lixo, com a coleta de classificação por cores. Estamos evitando o uso de produtos descartáveis, promovendo essa conscientização. A parceria com pessoas que possuem competência para explanar o assunto diretamente aos alunos tem outro peso, para eles entenderem que é algo maior, que atinge o mundo todo, com várias pessoas e vários grupos pensando, trabalhando e percebendo a importância dessa demanda, que temos procurado abraçar diariamente”, reforça a diretora.

O aluno do 7° ano Matheus Martim, 12 anos, ficou contente ao saber que há mais pessoas envolvidas nas causas ambientais. “Saber que há mais pessoas que cuidam do meio ambiente muda nossa ideia. Assim, a gente recebe informações que podem fazer a diferença para o planeta, que já está muito devastado. Quanto mais pessoas conscientes dessa situação, mais gente pode ajudar”, lembra Matheus.

Ao final da ação, a superintendente da FMADS Fernanda Vieira Diniz Farias anunciou que a escola receberá dois pontos de coletas, conhecidos como PEV, para descarte de materiais eletroeletrônicos e um maior para o descarte do óleo de cozinha usado.