Assistência Social promove oficina com OSCs sobre Comunicação Não Violenta

A iniciativa faz parte do Projeto de Encontros Colaborativos que visa aprimorar parcerias e avançar na prestação dos serviços assistenciais

0
289
Foto: DIVULGAÇÃO SECOM/PMSJ

A Prefeitura de São José, por meio da Secretaria Municipal de
Assistência Social e da Gestão de Alta Complexidade em parceria com a
equipe de Educação Permanente do Município iniciaram o Projeto de
Encontros Colaborativos. O objetivo é buscar o aprimoramento das
parcerias com as Organizações da Sociedade Civil (OSCs) que atuam em
São José.

Na tarde desta quinta-feira (22), na sede do Centro de Atenção à
Terceira Idade (CATI), o projeto promoveu uma oficina para abordar os
princípios da Comunicação Não Violenta com os coordenadores de cada
instituição para debater temas relacionados à importância dos perfis
de liderança e influência na comunicação com a equipe. A oficina foi
ministrada pela facilitadora Gabriella Dornelles, que é coordenadora do
CREAS Sede.

“A proposta é apresentar ferramentas para que o grupo desenvolva
inteligência emocional e capacidade de diálogo para construir
relacionamentos mais humanizados e saudáveis, melhorando os
atendimentos prestados àqueles que vivem em situação de violação de
direitos”, explica Gabriella.

Conforme informações da psicóloga Jule Minelli e da assistente social
da Gestão de Alta Complexidade, Francine Valente Favaretto, os
encontros seguem um cronograma bimestral, com duração de quatro horas,
sendo que cada temática é escolhida com a participação das
instituições de acolhimento para favorecer a efetividade dos
conteúdos ministrados.

As OSCs participantes são a FGA (que atende mulheres vítimas de
violência doméstica), NPV (adultos em situação de rua); Lar de Zulma
(idosos); Orionópolis (jovens e adultos com deficiência); Nurrevi
(acolhimento para crianças e adolescentes) e Darcy Vitória de Brito
(adolescentes).

“Além de aproximar as instituições da Prefeitura e diminuir a
burocracia, os encontros são importantes para que as instituições
conheçam umas as outras oportunizando momentos de trocas de
experiências que acabam contribuindo para a construção de ações
mais assertivas ao trabalho pelo bem comum”, ressalta o administrador
do Lar dos Velhinhos de Zulma, Clenio Roberto Klein.–