Compra de material escolar em atacarejos pode gerar uma boa economia 

A dica é realizar as compras em atacarejos, o que pode garantir ao consumidor final preços bem mais baixos do que os praticados por papelarias e livrarias.

0
275
Material Escolar no Fort Atacadista-Crédito das fotos: Dariele Gomes.

Às vésperas de começar o ano letivo de 2020, pais e filhos começam a
já tradicional maratona em busca dos melhores preços nos itens
necessários para dar suporte às aulas escolares ao longo do ano.
Livros, cadernos, lápis, giz de cera, cola, apontador, canetas,
marcadores de texto, régua… a lista de materiais é extensa, e se o
consumidor não pesquisar com atenção e escolher o local mais barato
para as compras, a conta pode comprometer o orçamento da família. De
acordo com o Procon/SC, há itens que podem apresentar uma enorme
variação de preço entre um estabelecimento e outro; como é o caso da
caneta esferográfica, que registrou uma variação de preços de 1498%.

Uma boa alternativa é garantir a maior quantidade de itens em
comércios que fazem compras mais volumosas com os fabricantes, como os
atacarejos, o que pode garantir ao consumidor final preços bem mais
baixos do que os praticados por papelarias e livrarias. Nas lojas do
Fort Atacadista, por exemplo, há um setor especial dedicado aos
materiais escolares, com preços ainda mais vantajosos para compras em
maior quantidade. “Além do corredor especial, elegemos alguns
produtos em promoção, como cadernos e estojos de canetas, para ficar
logo na entrada da loja, facilitando ao cliente”, conta Delza Feitosa,
gerente da unidade do Fort no bairro Kobrasol, em São José.

E tudo indica que as vendas serão aquecidas neste ano: segundo
levantamento da Fecomércio-SC, os catarinenses estão dispostos a
gastar 13,6% a mais em material escolar do que no ano anterior, fazendo
com o que gasto médio dos consumidores chegue a R$ 325,61.