Paulo Berri assume na Câmara da Capital; as enquetes furadas em Palhoça e São José e outras

Leia nesta coluna também sobre o lançamento da pré-candidatura da deputada federal, Ângela Amin à prefeitura da Capital e a intervenção nacional que deixa o PSB longe de Gean Loureiro neste ano

0
473

Paulo Berri assume na Câmara da Capital

O suplente de vereador Paulo Rutigliani Berri (PL) tomou posse na Câmara Municipal de Florianópolis na sexta-feira (21) em substituição ao titular do cargo, vereador Guilherme Pereira (MDB), que pediu licença por 30 dias para tratar de assuntos particulares. Paulo Berri tem 48 anos e nasceu em Brasília (DF). Hoje, é servidor público estadual.

O parlamentar já assumiu como suplente na Câmara em 2014. Ele explica as áreas que pretende focar sua atuação nesse período em que estará ocupando uma cadeira no Legislativo: “Quero aproveitar esse momento aqui para dar ênfase às questões relacionadas à Saúde, área na qual trabalho e que precisa de atenção na nossa Capital. Outra tema que pretendo defender  é a Cultura”.

As enquetes na net

No final de semana de Carnaval correu pelas redes sociais, especialmente, pelo whatsapp, links com uma pesquisa (enquete) política, oferecendo vários nomes para que a população votasse nas disputas à prefeitura de Palhoça e São José. Rapidamente a enquete já caiu no descrédito, quando foi excluída e uma nova foi postada. Dizem as más línguas que seus autores não estavam gostando dos percentuais de seus candidatos.

A prática é muito comum e não tem nenhum valor oficial, por não oferecer base científica, nem ser registrada. Serve mais para tumultuar o cenário ou favorecer possíveis candidatos. Bom que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que se preocupa com tanta bobagem que não interfere no pleito, fique atento a essas práticas também. Servem só pra inflar supostas candidaturas, que na vida real da urna, não vão a lugar algum.

Pré-candidatura de Ângela

Corre informações nos bastidores da política da Capital que nos próximos dias a ex-prefeita Ângela Amin (PP) deverá anunciar sua pré-candidatura à prefeitura. A estratégia também ajudaria seu partido, o PP a formar a nominata de pré-candidatos a vereadores, lembrando que a sigla está em vias de perder seus dois únicos vereadores na Capital: Pedrão, que vai para o PL e Marcelinho da Intendência, ainda sem destino certo. Os progressistas da Capital conversam com diversas outras agremiações discutindo possíveis coligações.

Previdência estadual

Durante a apresentação de dados sobre a reforma da previdência na Frente Parlamentar do Livre Comércio e Desburocratização, dia 18 de fevereiro, o deputado Bruno Souza (NOVO) afirmou que não existe ‘matemágica’, e que é preciso ter bom senso na discussão para fazer uma reforma sustentável. “A sociedade tem que participar da discussão porque é ela que vai pagar a conta. Temos que eliminar as distorções existentes na previdência estadual (não podemos ter catarinense que se aposentam com privilégios que não existem para a maior parte da população), os interesses classistas e discutir de forma honesta. Quero mais isso como cidadão do que como deputado”, ressalta Bruno.

Pelo Whats

Pessoal pegou no pé do jovem Guilherme Pontes, pelas suas alternâncias de escolhas políticas. Final de semana correu um texto pelos ‘whatsapps da vida’ relembrando sua vocação em pular de galho em galho na sua trajetória política. Pontes diz que vai registrar Boletim de Ocorrência e acionar juridicamente o autor. Em épocas de redes sociais, a boataria corre mais rápida, mas deixa rastros. “Sobre a nota que circula, já identificamos o autor, já fizemos Boletim de Ocorrência e buscaremos judicialmente a retratação”, diz Pontes.

Aliança pelo Brasil

Se tudo ocorrer dentro do esperado acontece neste sábado (29), em Florianópolis, no Hotel Torres da Cachoeira, no Norte da Ilha, o primeiro encontro na Capital do Aliança pelo Brasil, novo partido político que o presidente Jair Bolsonaro está tentando criar.  A vice-governadora do Estado, Daniela Reinehr, estará presente, bem como alguns parlamentares que a seguirão, deixando o PSL do governador Carlos Moisés.

Sem o PSB

O prefeito Gean Loureiro (DEM) terá que rever seu leque de aliança para a disputa das eleições deste ano. Até antes do Carnaval era dada como certa a composição tendo a partidipação do PSB. Pois bem. Uma intervenção nacional colocou água no chopp do presidente estadual, ex-vereador Adir Gentil, e do empresário Carlos Amastha, ex-prefeito de Palmas de Tocantins que colocavam a sigla na base de apoio de Loureiro. Uma diretriz nacional exige que a sigla tenha candidato próprio a prefeito em municípios com mais de 200 mil habitantes, como é o caso de Florianópolis. Caso não seja possível, deverá o partido integrar frentes com partidos de esquerda.

CDL Tech

Na próxima segunda-feira (2), às 19h30min, será realizado o lançamento do espaço CDL Tech para diretoria e conselhos Fiscal, Superior e Deliberativo da entidade. O CDL Tech é uma forma diferente de capacitar empresários com olhar no futuro para conectar o varejo inteligente com o ecossistema de tecnologia e inovação de Florianópolis.

É um espaço para construir ideias e projetos. Lançar startups que se multiplicam. Potencializar os setores tradicionais de mercado que passam por um profundo momento de disrupção em seus modelos de negócio, além de investir em empresas jovens e locais para o desenvolvimento mútuo. Com ideias simples, mas que podem gerar experiências impactantes.

A Cidade ganha um espaço diferenciado de coworking para realizar conexões entre empreendedores, motivar os empresários a saírem da zona de conforto e incentivar que as mudanças podem ser feitas a partir de pequenas intervenções em ambientes corporativos.

Republicanos acolhe Bolsonaristas em SC

O Republicanos vai abrigar os candidatos Bolsonaristas para as eleições municipais deste ano. A escolha natural por um dos partidos que mais cresce no Brasil, na avaliação do presidente estadual da sigla, deputado estadual Sergio Motta, é por se tratar de um partido que apoiou o presidente na campanha eleitoral e apoia também no mandato.

Para Motta, o perfil do partido que é conservador nos costumes, com princípios liberais na economia também tem sido um motivo que contribuiu muito na hora da decisão. “Entendemos que o curto espaço de tempo para as eleições municipais não permitiram a organização do Aliança, partido do Presidente Jair Bolsonaro estar apto a participar da disputa e por este motivo o Republicanos foi escolhido”, garantiu.

O Republicanos tem 14 anos de história, tem 32 deputados federais, 43 estaduais, mais de 100 prefeitos e mais de mil vereadores por todo o país. Além disso, conta com 31 segundo de tempo de televisão, estímulos que despertam interesses de aliados. “Se os novos filiados ficam ou não no partido depois, vamos aguardar o tempo responder isso. Vamos agora acolher pessoas de bem que pensam no coletivo, nas pessoas”, pontuou o deputado.