SIMESC orienta que população não deixe de procurar atendimento médico para outras doenças durante pandemia

Segundo a Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI), houve redução pela metade nos atendimentos a pacientes com infarto em comparação ao primeiro semestre de 2019

0
238

O medo de contaminação por Coronavírus, especialmente em unidades hospitalares, tem refletido na queda da procura por atendimento médico para diagnóstico e tratamento de outras doenças como câncer e cardiopatias – o que representa grande prejuízo para a saúde da população.

Segundo a Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI), houve redução pela metade nos atendimentos a pacientes com infarto em comparação ao primeiro semestre de 2019.  O dado preocupa tendo em vista que o socorro médico nas primeiras 12 horas pode ser primordial para evitar sequelas graves e morte.

Quando se trata de atendimento oncológico, o impacto é ainda maior. A procura para diagnóstico e tratamento do câncer em alguns locais caiu 70%, aponta a Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde). De acordo com a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) 50 mil brasileiros deixarem de ser diagnosticados com a enfermidade.

O SIMESC ressalta que os riscos de ignorar sintomas de outras doenças são tão graves quanto de contrair a Covid-19, e recomenda que ao apresentar qualquer tipo de sinal ou sintoma o cidadão deve buscar orientação adequada à distância no primeiro momento. O Ministério da Saúde disponibiliza o telefone 136 para esclarecimentos de dúvidas e também o aplicativo Coronavírus-SUS. Em Santa Catarina informações podem ser acessadas pelo site coronavirus.sc.gov.br.

No caso de tratamentos que não podem ser interrompidos, como para o câncer, cardiopatias e demais doenças crônicas a exemplo de hipertensão, diabetes, transtornos psiquiátricos, asma, enfisema, cirrose, a recomendação é que as medidas de segurança sejam tomadas e que eles sejam mantidos, pois a suspensão pode acarretar em agravos e intercorrências. Da mesma forma, os pacientes não devem interromper por conta própria o uso de medicamentos contínuos.

O Sindicato salienta que as doenças comuns sempre estarão presentes e que cabe a gestão adequar a distribuição e triagem dos casos para que não haja lacuna no atendimento.

Enfrentamos um momento em que o distanciamento social é importante e necessário no combate ao Coronavírus, mas a atenção às demais doenças deve permanecer.

A rotina de nossas vidas foi alterada, mas os cuidados com sua saúde devem ser reforçados. Mantenha seu calendário de atenção à saúde atualizado. Visite seu médico regularmente e realize os exames de acordo com orientação profissional.