Chegou a primavera e os cuidados devem ser redobrados com os olhos

Além da estação das flores aumentar o nível de pólen circulando no ar, o tempo torna-se mais seco podendo causar algumas irritações, vermelhidão ou lacrimejamento espontâneo exagerado nos olhos.

0
46
Dra. Claudia Nascimento

Com a pandemia causada pelo COVID-19, as pessoas precisaram ficar mais atentas com os olhos, já que essa região é uma das portas de entrada para o vírus. E com a chegada da primavera, que começou nesta terça (22), a população precisará redobrar os cuidados, pois além da estação das flores aumentar o nível de pólen circulando no ar, o tempo torna-se
mais seco podendo causar algumas irritações, vermelhidão ou lacrimejamento espontâneo exagerado nos olhos. Esses sintomas podem estar relacionados a uma alergia ocular ou ainda à síndrome do olho seco, doenças que surgem com mais frequência nesta época do ano.

A síndrome do olho seco, por exemplo, prejudica a lubrificação da área, justamente por estar relacionada com a produção das lágrimas.

Outro caso bastante comum, e que requer mais atenção com a saúde dos olhos, é a chamada conjuntivite primaveril. A alergia tem maior incidência em pessoas que já sofrem de rinite alérgica, sendo muitas vezes acompanhada por sintomas nasais.

Essas condições precisam ser identificadas e tratadas o mais breve possível, para não evoluírem e se transformarem em problema sério.

A conjuntivite primaveril pode apresentar sintomas como coceira, vermelhidão, inchaço e secreção mucosa. Se progredir, pode até causar lesões na córnea e comprometer a visão. A oftalmologista Claudia Nascimento, diretora clínica do Hospital de Olhos de Florianópolis (HOF) ressalta que esse tipo de conjuntivite não é contagioso, mas requer cuidados. “Sempre que perceber qualquer mudança na saúde dos olhos, a visita ao oftalmologista é a melhor opção, ele vai indicar o melhor tratamento para cada pessoa”, explica.

Deixe uma resposta

Faça um comentário:
Digite o seu nome