8.486 servidores receberam auxílio emergencial indevidamente em SC

MPC e CGU/SC orientam 8.486 servidores a devolverem valores do auxílio emergencial recebidos indevidamente

2
186
Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal.

O Ministério Público de Contas de Santa Catarina (MPC/SC) e a Controladoria-Geral da União em Santa Catarina (CGU/SC) encaminharam ofício aos 254 municípios nos quais há servidores que receberam o auxílio emergencial, previsto pela Lei 13.982/2020.

A orientação dos órgãos de controle é para que todos os servidores que tenham recebido o dinheiro de forma irregular devolvam os valores aos cofres públicos. MPC/SC e CGU/SC também pedem aos gestores públicos responsáveis pelos servidores de prefeituras, câmaras e institutos de previdência que encaminhem, num prazo de 20 dias, informação acerca das providências adotadas para correção da situação.

Levantamento realizado de forma conjunta pelos órgãos revelou, com base nas folhas de pagamento do mês de maio deste ano, que 8.486 servidores públicos municipais receberam o auxílio emergencial.

“O trabalho feito em parceria pelo MPC e CGU começou há alguns meses, quando solicitamos aos municípios que nos encaminhassem nome e CPF dos servidores municipais que estavam na folha de pagamento de maio. À época, solicitamos os dados de efetivos, comissionados, estagiários e dos servidores de cargos eletivos também. Uma força-tarefa foi criada no MPC para cobrar o envio das informações por parte dos municípios. Por fim, conseguimos os dados de 92% dos servidores municipais de Santa Catarina. Alguns órgãos não enviaram as informações até hoje. Após o levantamento, a CGU realizou o cruzamento com o banco de dados do Ministério da Cidadania, e chegamos ao triste resultado de mais de 8 mil servidores”, explica a Procuradora-Geral de Contas, Cibelly Farias.

“Após esse resultado, os dois órgãos decidiram enviar um ofício aos gestores de forma conjunta. Primeiramente, informando sobre a existência de servidores na lista de beneficiados e solicitando que os gestores orientem essas pessoas a devolverem os valores recebidos indevidamente. Outro pedido nosso foi um retorno dos gestores informando as providências tomadas. Como o ofício foi enviado em 13 de outubro e demos prazo de 20 dias, devemos começar a receber as respostas no início de novembro”, completa o Coordenador da CGU/SC, Orlando Vieira Junior.

De acordo com § 5º, do art. 2º, da Lei 13.982/2020, são considerados empregados formais – portanto, sem direito à percepção do referido auxílio emergencial – os agentes públicos, independentemente da relação jurídica, inclusive os ocupantes de cargo ou função temporários ou de cargo em comissão de livre nomeação e exoneração e os titulares de mandato eletivo.

Assim, os atos de solicitação e de recebimento do Auxílio Emergencial Covid-19, por meio da declaração de informações falsas em sistemas oficiais de solicitação do benefício podem configurar os crimes de estelionato e de falsidade ideológica, disciplinados respectivamente nos arts. 171 e 299 do Decreto-Lei n.º 2.848, de 07.12.1940 (Código Penal), além de caracterizar possíveis infrações disciplinares previstas na lei estadual e municipal.

Veja NESTE LINK em quais municípios servidores receberam o pagamento indevido

2 comentários

  1. Deveriam ser exonerados automaticamente

    E ainda, ainda devolverem o dinheiro..

    Aviso de exoneração efetivada / motivo / devolução!

    Eu e você somos o que ? Idiotas, pagando por isso é ainda em alguns casos nos mesmos os que pagam nao recebendo…

  2. Devolver o dinheiro recebido indevidamente é obrigação e o mínimo a ser feito. Estes “seres humaninhos” deveriam ser exonerados sumariamente de seus cargos públicos, sem direito a pensão e ainda ser condenados a prestar serviços voluntários em entidades que ajudam os menos favorecidos e em caso de recusa, ficar preso em regime fechado durante o mesmo tempo em que iria receber o auxílio indevidamente, ou seja, nove meses!!! Gentalha da pior espécie!!!!

Comments are closed.