Proposta retomada do projeto de integração do transporte na Grande Florianópolis

Empresas participam de roda de conversa com os vereadores e se manifestam interesse na integração do sistema

0
787

Na Roda de Conversa desta terça-feira, 08, a Câmara Municipal de São José mostrou estar disposta a puxar a retomada do debate para a melhoria do sistema, segundo garantiu nesta terça-feira (8) a presidente da Casa, vereadora Méri Hang, depois de mais um encontro do programa Roda de Conversa com os Vereadores. Participaram representantes das empresas de ônibus e do Sindicato das Empresas de Transporte Urbano da Grande Florianópolis (Setuf), além do coronel Vânio Dalmarco, Secretário Municipal de Segurança, Defesa Social e Trânsito de São José e boa parte dos vereadores.

A Câmara de São José foi a única da Grande Florianópolis a aceitar, ainda em 2019, que o Estado coordenasse a implantação do sistema integrado com a fixação de um prazo para a mudança, que termina em 31 de dezembro deste ano. “Até lá, como sabemos que o Estado declinou do projeto, segundo nos informou o secretário, temos condições de construir uma proposta coletiva, com a participação dos demais municípios e das empresas, garantindo a melhoria do serviço prestado à população”, disse a presidente Méri Hang. Ela quer promover uma reunião ampliada, com a participação de vereadores, prefeitos, secretários e lideranças dos demais municípios da Grande Florianópolis, ainda no mês de junho, para acelerar a discussão do tema. “As empresas já possuem uma proposta, vamos conhecê-la mais a fundo e buscar um modelo que atenda ao anseio da população”, complementou.

No encontro desta terça-feira, embora tenham se manifestado dispostas a investir em um novo modelo de integração, as empresas também admitiram que foram duramente prejudicadas pela pandemia. Segundo o diretor da Viação Estrela e do Setuf, Gildo Formento, atualmente o setor está começando a se recuperar. Tanto que os congestionamentos já voltaram a atrapalhar o fluxo das linhas. Mas o prejuízo ainda ronda o setor. “Somente agora, estamos operando com 75% da capacidade. Mas desde que fomos autorizados a voltar, estamos bancando 100% dos custos”, comentou.