Novo equipamento de raios X do HU-UFSC utiliza dose menor de radiação e aumenta a agilidade e a qualidade das radiografias

O equipamento DR, usado para aquisição de exames de raios X (por exemplo, RX do tórax, fêmur, crânio, abdome e outros) foi instalado em uma sala própria dentro da Unidade de Diagnóstico por Imagem do HU

0
289

O Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU-UFSC/Ebserh) conta com um novo equipamento de raios X que, devido às suas características, representa ganho em agilidade, qualidade, ergonomia além de utilizar uma dose menor de radiação em relação aos sistemas de aquisição de radiografia convencional e radiografia computadorizada (CR). O equipamento DR, usado para aquisição de exames de raios X (por exemplo, RX do tórax, fêmur, crânio, abdome e outros) foi instalado em uma sala própria dentro da Unidade de Diagnóstico por Imagem do HU.

O físico médico Tiago Trindade Hahn, que está coordenando as atividades de treinamento da equipe da unidade, explicou que o equipamento representa um ganho imediato em fluxo de trabalho, pois a visualização da imagem é feita segundos após a aquisição. “No sistema CR usado até agora, o técnico em radiologia tem de usar uma placa de fósforo, sendo que, após captar as imagens na sala de exames, é necessário inseri-la numa leitora para possibilitar a visualização em um monitor. Com o novo equipamento DR a imagem é transmitida diretamente do aparelho, possibilitando a visualização das imagens no monitor em segundos”, explicou, acrescentando que este é o sistema de aquisição mais moderno na área de raios X em operação no Brasil atualmente.

A chefe da unidade, Isabel Lohn da Silveira, explicou que no momento as equipes estão em fase de treinamento para operação do equipamento e a expectativa é de que em breve sejam reabertos os atendimentos via Sistema de Regulação (Sisreg), sendo que a contratualização do HU com o Estado prevê 800 atendimentos mensais deste tipo de exame. Além destes atendimentos, o equipamento é utilizado para pacientes internados no HU.

Ela destacou que este ganho de agilidade beneficia a equipe que opera o equipamento e o paciente. “Para se ter uma ideia, quando fazia um exame de raios X, o paciente tinha de sair da sala de exame para esperar o processamento da imagem na leitora CR, o que poderia demorar minutos. A partir de agora, o paciente ainda dentro da sala de exame já tem sua imagem processada, podendo ser visualizada no monitor em poucos segundos”, descreveu, acrescentando que isso abre espaço até para um eventual aumento da oferta aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Além da agilidade, a chefe da unidade destacou o ganho em ergonomia, uma vez que o novo equipamento possui mais leveza, sendo de fácil manejo para os profissionais. Há, ainda, uma otimização na Proteção Radiológica com o uso de uma menor dose de radiação para formar uma imagem de alta qualidade. “É um aparelho com alta eficiência de detecção quântica, que necessita de menos fótons”, detalhou.

Isabel disse que a aquisição deste equipamento representa uma grande evolução no serviço de diagnóstico por imagem oferecido pelo HU. Segundo ela, desde a inauguração do hospital, em 1980, até 2014, as radiografias eram reveladas em câmara escura utilizando-se de produtos químicos (revelador e fixador). De 2014 até agora, foi utilizado para aquisição das imagens de raios X o sistema de radiografia computadorizada (CR) e a partir deste ano, o HU conta com a radiografia digital (DR). “Ou seja, precisamos de mais de 30 anos para avançar para o sistema CR e, agora, em apenas sete anos, saltamos para a tecnologia DR, tecnologia mais moderna para aquisição de imagens de raios X disponível no país neste momento”, resumiu.