Mobilidade urbana: Eduardo Freccia busca apoio em Brasília

Prefeito de Palhoça apresentou propostas ao ministro da Infraestrutura e ao relator do orçamento da União em 2022.

0
215

O prefeito de Palhoça, Eduardo Freccia, esteve em Brasília (DF), nesta terça-feira (31) e quarta-feira (1), buscando apoio para ações que a Prefeitura pretende implementar para melhorar a mobilidade urbana no município.

Em reunião com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, Freccia apresentou dois pedidos. Um deles é para que seja avaliada, junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e à concessionária Arteris Litoral Sul, a possibilidade de deslocar o ponto onde será instalado um acesso alternativo do Contorno Viário da Grande Florianópolis, no cruzamento da nova rodovia com a Avenida São Cristóvão, no Alto Aririú. “Seria uma alteração simples. Acredito até que a empresa economizaria com a mudança, e para a comunidade local, faria uma diferença enorme”, pontua o prefeito.

O traçado do trecho Sul do Contorno Viário, dentro de Palhoça, prevê o cruzamento da rodovia com a Avenida São Cristóvão. Isso cria a necessidade de instalação de acessos alternativos para quem trafega pela avenida, que é a principal via de deslocamento dentro dos bairros Aririú e Alto Aririú. A questão é que o ponto escolhido pela concessionária para realizar a execução da passagem de nível, criando esse acesso alternativo, vai interferir negativamente na dinâmica da comunidade local. “Da forma como está proposto, haverá
uma segregação na comunidade. A região mais densamente povoada ficará isolada do restante do bairro, onde existe uma escola municipal, com 600 alunos, igrejas e ponto turístico. Crianças teriam de caminhar um quilometro e meio a mais para chegar à escola, totalizando três quilômetros por dia. É isso que nós queremos evitar, e é simples de
fazer, não precisa mexer no traçado, basta apenas deslocar a via elevada prevista para um ponto mais próximo da intersecção entre a obra federal e a avenida local”, explica o prefeito.

Freccia compara: nas outras intersecções previstas no trecho Sul, a via elevada está posicionada próxima ao entroncamento, o que facilita o deslocamento dos moradores; no caso do cruzamento com a Avenida São Cristóvão, a posição do acesso alternativo está a cerca de 500 metros do ponto de interligação, o que vai obrigar as pessoas a fazer
um “balão” desnecessário para transitar entre um lado e outro da rodovia.

Isso vai impactar até mesmo no sistema de transporte coletivo: os usuários vão precisar andar 500 metros a mais até um ponto de ônibus mais próximo. “Nós sugerimos que seja feita uma reavaliação. A obra naquele trecho ainda não começou e não seria difícil de
executar a mudança, do ponto de vista de engenharia. Também não teríamos trabalho com licenças ambientais e o município se compromete a realizar as desapropriações necessárias para a implantação da nova solução, evitando atrasos, aumento de custos e novas pactuações contratuais”, acrescenta Freccia.

Duplicação da BR-282

Em outro documento entregue ao ministro, foi solicitada a duplicação do trecho compreendido entre o entroncamento da BR-101 com a BR-282 até a intersecção com o Contorno Viário da Grande Florianópolis, com a execução das respectivas vias marginais e a construção de uma rotatória no entroncamento da Rua José Clemente de Macedo com a
BR-282, que é a principal ligação entre o litoral e a Serra Catarinense e absorve um trânsito local de aproximadamente 50 mil habitantes.

Entre os objetivos das alterações, podem ser listados: melhorar a mobilidade urbana, facilitar o escoamento da produção agrícola e industrial entre o litoral e a Serra Catarinense e contribuir para reduzir o número de mortes em razão de colisões frontais entre automóveis. “Nós mostramos ao ministro a importância deste trecho da BR-282 dentro do município de Palhoça. É uma via muito movimentada, com pista simples, que recebe todo o fluxo de trânsito local. Pela BR-282, passa boa parte da produção de Santa Catarina,
principalmente o abastecimento de produtos hortifrutigranjeiros para a Grande Florianópolis”, detalha Freccia. “Além disso, além da questão do fluxo do trânsito e do escoamento da produção, temos que levar em conta que este trecho da BR-282 apresenta muitos acidentes, muitas vezes resultando em morte, ceifando vidas, e nós precisamos agir
para proteger a nossa população. O ministro nos recebeu de forma muito positiva e foi muito sensível às nossas propostas e tenho a certeza de que ele fará todo o esforço possível para atender às nossas reivindicações”, conclui o prefeito.

Avenida beira-mar

Também em Brasília, o prefeito Eduardo Freccia buscou recursos para iniciar o planejamento para a construção de uma avenida beira-mar, que iria da Ponte do Imaruim, na divisa com São José, até a Barra do Aririú. Aliando desenvolvimento econômico e sustentabilidade, a nova avenida também seria responsável por uma contribuição positiva para a mobilidade de toda a região.

Freccia apresentou a proposta da Prefeitura de Palhoça ao deputado federal Hugo Leal (PSD/RJ), relator do orçamento da União para 2022. O prefeito conta com o apoio político de deputados catarinenses no pedido de inclusão no orçamento de recursos para a contratação dos projetos executivos da futura avenida.